Carlos Drummond de Andrade, da província para o vasto mundo

carlosxx

O calendário data o ano de 1929. Belo Horizonte, a cidade símbolo da República brasileira, ganha um novo elemento: o viaduto Santa Tereza passa a integrar a paisagem urbana da capital de Minas Gerais. No cotidiano descer a rua da Bahia, Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) passeia pela nova ponte, obra influenciada pelas principais tendências arquitetônicas da época. Errante e anônimo entre outros passantes, o poeta segue seu caminho até que, para surpresa de todos, começa a escalar o arco direito de quem logo sobe pelas vias do bairro Floresta.

Inusitada, a anedota é comumente lembrada ao se falar da relação de Drummond com a Belo Horizonte dos idos de 1920 e 1930, onde viveu por 14 anos. A história ilustra bem a ambígua relação do escritor com a recém-inaugurada capital – apenas cinco anos mais velha que ele. O pacato e o efêmero, a tradição e a modernidade – as contradições da cidade foram registradas pelo poeta e não escaparam de seu olhar crítico.

“Drummond tem uma relação permeada por tensões com Belo Horizonte”, analisa a professora do departamento de Letras da UFMG, Maria Zilda Ferreira Cury. Afinal, “a mesma cidade projetada para ser o símbolo da República, a capital da Luz, fundada sob o signo do modernismo e do iluminismo, é também aquela que ainda guardava algo de bucólico e de provinciano”, lembra.

Além disso, em matéria de Brasil, “as coisas aconteciam mesmo era no Rio de Janeiro, capital da República na época”. Era esta a referência de Drummond, que, por vezes, se punha crítico à pacatez de Belo Horizonte em contraste à efervescência da Cidade Maravilhosa. “BH ainda era provinciana demais para os sonhos de ocupação intelectual e política de Drummond”. Por isso, ele várias vezes a classifica como “cidade do tédio”.

A capital, obviamente, foi importante para a formação intelectual do poeta e é também um lugar de muitos afetos – além das amizades, ele se casa aqui em 1925 e tem dois filhos, observa o jornalista e escritor Fabrício Marques, autor do livro “Uma Cidade Se Inventa” (2015). Marques, no entanto, vai além, pontuando que a capital, com menos de meio século desde sua fundação, se beneficiou sobremaneira do prestígio da vanguarda literária que abrigava.

E se falando do horizonte afetivo de Drummond na capital mineira, “é preciso lembrar que, ao se instalar em BH, ele se agrupou a outros intelectuais”, frisa a professora Maria Zilda. Participavam do grupo de Drummond nomes como Abgar Renault, João Alphonsus, Pedro Nava, Milton Campos, Ciro dos Anjos e Alberto Campos. Juntos, eram conhecidos como “Meninos do Estrela”, em referência aos encontros no Café Estrela, que, como o Bar do Ponto (foto) e outros espaços, são lugares antológicos na obra drummondiana. Lá, trocavam versos entre um chope e outro.

O grupo, é verdade, também se beneficiou do fato de a cidade, ainda com pouco mais de 50 mil habitantes, ser lugar que gozava de certa importância – afinal, foi a primeira grande obra da República. “Eles logo ocuparam espaços de relevância no meio intelectual”, pontua a professora. Drummond, por exemplo, se tornou redator do “Diário de Minas”, jornal conservador do Partido Republicano Mineiro, mas que serviu de acesso para as publicações modernistas do poeta.

O conservadorismo literário, aliás, foi trincheira vencida pelo itabirense já em 1927, quando publicou, em uma revista carioca, o poema “No Meio do Caminho”, considerado um escândalo para os padrões de então. Em 1930, atuando no diário oficial do Estado (Minas Gerais) e assinando uma coluna com os pseudônimos Antônio Crispim e Barba Azul, o poeta, ainda em BH, lança “Alguma Poesia”, seu primeiro livro, com a expressiva tiragem (para a época) de 500 exemplares.

Fonte: Jornal O Tempo

    Author: Brasil Cultura

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *