Biblioteca Nacional distribui quase 1 milhão de livros para 1.625 bibliotecas de todo o país

A Fundação Biblioteca Nacional (FBN) distribuiu 930.566 livros para 1.625 bibliotecas públicas de todo o país, cadastradas no Portal do Livro da  instituição, vinculada ao Ministério da Cultura. Com a entrega, concluída em  janeiro último, a FBN cumpriu a primeira etapa do Programa de Ampliação de Acervos do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP), lançado em 2011 e no  qual foram investidos R$ 8,4 milhões.

Os livros foram escolhidos pelas próprias bibliotecas, a partir de uma lista  disponibilizada pelas editoras participantes do programa. Segundo a FBN, foram  beneficiadas bibliotecas públicas, comunitárias, rurais e pontos de leitura de  1.150 municípios. Mais da metade – 56% – delas não recebiam livros há mais de  dois anos.
A redução de custos foi o grande diferencial dessa distribuição, em relação  às que foram feitas em anos anteriores pela FBN. A média de preço por exemplar,  de R$ 44, caiu para R$ 9,05, com a exigência de que as editoras cadastrassem  livros com um custo de até R$ 10. A economia foi 384%.
Outro fator que contribuiu para a diminuição dos custos e para o alcance de  um número maior de bibliotecas foi o esquema de distribuição, que envolveu a  participação de jornaleiros e pequenos livreiros, sobretudo no interior do país.
De acordo com a FBN, foi a solução adotada para se fugir da forte concentração  do mercado distribuidor de livros no eixo Rio-São Paulo.
“Além de uma grande economia de recursos e a inclusão de elos mais frágeis da  cadeia produtiva, como os autores independentes e as micro e pequenas editoras,  esse enraizamento da distribuição nas pequenas cidades foi fundamental para  reduzir o preço do livro”, avaliou o coordenador-geral de Economia do Livro da  FBN, Tuchaua Rodrigues.
Segundo ele, mesmo com esse processo, o projeto fooi executado em um prazo de  prazo de 15 meses, apenas um pouco mais longo do que os 12 meses dos processos  anteriores de compra, quando a própria instituição precisava arcar com os custos  da logística.
De acordo com a Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas da FBN,  pesquisas apontam a ampliação dos acervos, com a oferta de uma variedade maior  de livros, como a principal motivação para que os leitores frequentem mais as  bibliotecas, justificando as ações de revitalização desses espaços de fomento à  leitura.
“A biblioteca pública é um espaço de criação e formação de leitores o ano  inteiro e o mais democrático da leitura independente”, destacou a diretora  Antonieta Cunha. Outro dado importante é que um terço dos municípios  beneficiados nessa distribuição está localizado nas regiões de maior  vulnerabilidade social, os chamados territórios da Cidadania.
Segundo Antonieta Cunha, a Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e  Bibliotecas está preparando um novo edital, para atender às 489 bibliotecas não  contempladas na primeira fase do programa. São unidades cujos pedidos não  puderam ser atendidos pelas editoras, livrarias e distribuidoras. A expectativa  é de que até meados deste ano tenham sido atendidas, nas duas fases, 2.114  bibliotecas de 1.564 municípios.
Desta vez, as editoras participantes do programa deverão cadastrar livros que  podem ser produzidos a um custo de até R$ 10, com tiragem de 4 mil exemplares. O  preço barato não ficará restrito à aquisição pelo Programa de Ampliação de  Acervos: as editoras terão que se comprometer a imprimir mais uma edição, com o  mesmo número de exemplares, para venda nas livrarias, aos consumidores comuns.

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 4 =