Biblioteca Nacional assina contrato para tentar solucionar problemas estruturais

Em meio a problemas de infraestrutura que ameaçam a preservação de um importante patrimônio histórico e cultural brasileiro, a Fundação Biblioteca Nacional  (FBN), no Rio de Janeiro, assinou um contrato de R$ 6,87 milhões com a Fundação  Getulio Vargas (FGV).
Por esse valor, especialistas da FGV deverão avaliar a situação do prédio da  Biblioteca Nacional, localizado no Rio de Janeiro, e apresentar, em seis meses, m programa de modernização institucional, organizacional e da infraestrutura do  edifício histórico, onde estão armazenados cerca de 9 milhões de livros,  gravuras, cartazes, jornais, mapas, manuscritos e moedas.

Entre as preciosidades da entidade, vinculada ao Ministério da Cultura, estão  todo o acervo trazido ao Brasil pela Família Real em 1808; os 48 mil volumes  encadernados e inúmeras brochuras pertencentes à imperatriz Thereza Christina  Maria e doados pelo ex-imperador D. Pedro II e a chamada Bíblia de Mogúncia (ou  Bíblia Latina), pergaminho publicado em 1462.

Assinado no último dia 16, o extrato do contrato foi publicado no Diário  Oficial da União de hoje (30). Em nota, a FGV explicou que vai ajudar a  Biblioteca Nacional a implantar melhores práticas de gestão, ferramentas de  planejamento e formas de garantir a maior eficiência dos contratos da entidade  vinculada ao Ministério da Cultura.

Segundo se apurou, entre os projetos a serem  monitorados pela FGV, estão os que tratam da reformulação dos sistemas de  refrigeração, principal problema enfrentado hoje para preservação do acervo da  Biblioteca Nacional.

Desde 2009, os servidores vêm denunciando as condições precárias das  instalações da entidade, agravadas pelo fato de os aparelhos de ar  condicionado não estarem funcionando desde maio do ano passado, quando houve um  vazamento de água na tubulação da instituição.

Segundo os servidores, problemas com o ar-condicionado, na parte elétrica e  na fachada do prédio, não só comprometem a qualidade dos serviços oferecidos à  população, como prejudicam a saúde de quem trabalha no histórico Palácio Gustavo  Capanema.

De acordo com a Associação dos Servidores da Biblioteca Nacional (ASBN), em  dezembro passado houve dias em que a temperatura em alguns setores do prédio  ultrapassaram os 44 graus Celsius.

Em ofício encaminhado à ministra da Cultura, Marta Suplicy, em  dezembro de 2012, representantes de cinco entidades de classe que integram o  Fórum das Associações de Servidores da Cultura, entre eles a presidenta da ASBN,  Lia Jordão, alertaram que são frequentes os casos de mal-estar devido ao calor e  cobraram medidas urgentes capazes de resolver o problema rapidamente.

“Trata-se da necessidade urgente de garantir a salubridade de centenas de funcionários e  usuários do Ministério da Cultura e instituições vinculadas que  ocupam o Palácio Gustavo Capanema”, apontam as entidades no ofício.

O Ministério da Cultura informou que a Biblioteca Nacional passará por reformas estruturas  com investimentos de R$ 70 milhões. Desse total, R$ 26  milhões são financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e  Social (BNDES) para obras no prédio-sede e reforma de um prédio na zona  portuária que vai receber parte do acervo. A primeira parcela, de R$ 11 milhões,  já foi liberada.

Uma segunda etapa de obras vai consumir R$ 30  milhões do PAC das Cidades Históricas nas reformas do prédio-sede e do  ar-condicionado. Mais R$ 14 milhões do orçamento do Ministério da Cultura serão  gastos em complemento de reforma dos dois prédios, projetos e estudos técnicos  para as intervenções. Os recursos haviam sido anunciados pela ministra Marta Suplicy em  setembro passado.

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *