A Poesia pede licença

neruda79794

Peço licença para falar sobre a poesia. Ou sobre o poeta. Ou talvez a poesia e o poeta sejam um só, que neste caso o poeta foi feito, vida inteira, da mesma matéria, do verso e do amor, da dor e do ritmo, da poesia que corta, sangra e apaixona. Peço licença. É que em um dia feito hoje, há 43 anos, morria de dor e de fascismo o poeta Pablo Neruda, o que disse que “o que mais se parece com a poesia é um pão ou um prato de cerâmica ou uma madeira delicadamente lavrada, ainda que por mãos rudes”.

 

Mas a poesia não morreu com o poeta. Como ele mesmo dizia, a poesia “tem as sete vidas do gato ”Mas a poesia não morreu com o poeta. Como ele mesmo dizia, a poesia “tem as sete vidas do gato” O dono de um nome com uma sonoridade ímpar escolheu outro, justificando-o como uma homenagem. Ricardo Eliecer Nefatlí Reyes Basoalto, um nome real, um nome de poeta. E ele escolheu Pablo, um nome plebeu feito a sua poesia, poesia de mineiros e de pescadores, poesia de estudantes e de operários, poesia de bêbados e de amantes suicidas, poesia de mulheres belas e terrivelmente passionais, poesia do singelo e do épico, de maremotos e vulcões e terremotos. A poesia de Pablo foi a América Latina em convulsão, feito os vulcões da cordilheira, em permanente erupção.

 

Não comecei Pablo pela sua poesia. Minha primeira leitura foi sua autobiografia, “Confesso que vivi”. Comecei Pablo pelo final, e o homem profundamente identificado com o seu povo encantou-me antes mesmo que a sua poesia. Comecei Pablo pelo adolescente magro, envolto numa fantasmagórica capa cinzenta, sonhando com a poesia e com as mulheres. É que eu também era, à época, um adolescente magro, feio, desengonçado, que sonhava mais com as mulheres do que com a poesia, aquelas bem mais inacessíveis do que esta. Diferente de Pablo, no entanto, eu não tive a sorte de uma viúva de coração fogoso, que me desse amor em desacordo com a minha desnutrição. Sonho ainda despir aquela viúva de imensos olhos azuis das suas sedas negras e violetas, “uma fruta nevada envolta numa aura de dor”.

 

Comecei o poeta chileno pela aventura do adolescente com a mulher desconhecida a lhe visitar no celeiro, em uma debulha de trigo. Nunca vi o trigo e não conheço celeiros, mas fantasio com aquela noite escura, pensando naquela mulher, no seu cheiro, na cama de palha que ela dividiu com o poeta.

 

Comecei Neruda pelo sujeito que virou cônsul meio ao acaso, escolhendo uma cidade desconhecida que ficava numa depressão do globo terrestre. O mesmo cônsul que protagonizou histórias de amor e ódio em países distantes e inimagináveis.

 

Comecei Dom Pablo pelo comunista que percorreu o país inteiro, seja em fuga espetacular pela cordilheira, seja em campanha eleitoral, partilhando a cama e a mesa com os mineiros do Chile, com os pescadores, com os trabalhadores da cordilheira.

 

Somente depois disso é que conheci a poesia poderosa de Neruda. Poucos poetas celebraram com tanta intensidade o amor e a revolução. O mesmo poeta que escreveu “Em teus olhos guerreavam as chamas do crepúsculo/ e as folhas caíam na água de tua alma”, escreveu também “Trigo e aço aqui nasceram/ da mão do homem, de seu peito./ E um canto de martelos alegra o bosque antigo”. O mesmo Neruda que escreveu “ali, mulher do amor, me acolheram os seus braços./ Era a sede e a fome, e tu foste a fruta./ Era o duelo e as ruínas, e tu foste o milagre”, escreveu os versos de guerra “sairemos das pedras e do ar/ para morder-te:/ sairemos da última janela/ para derramar-te fogo:/ sairemos das ondas mais profundas/ para cravar-te com espinhos”.

 

O poeta escreveu em uma de suas obras: “Não venho para resolver nada./ Vim aqui para cantar/ e para que cantes comigo./ (…)/ Canta comigo até que as taças/ se derramem deixando púrpura desprendida/ sobre a mesa”. Desde o longínquo dia em que o conheci tenho atendido ao seu convite, tenho cantado com ele e com a poesia, e muitas vezes já as taças tingiram de púrpura as toalhas das mesas.

 

Estão no “Canto Geral” os versos que trago guardados com ternura de menino: “Sobe comigo, amor americano./ Beija comigo as pedras secretas”. Carrego estes versos entalhados na alma e na memória, cuidadosamente gravados dentro de mim. Inúmeras vezes eu os usei, inúmeras vezes convidei um amor americano para beijar comigo as pedras secretas da paixão e da poesia.

 

Há 43 anos mataram Pablo Neruda. Sim, Neruda foi morto pela mesma mão que assassinou Allende e que feriu de morte a pátria chilena. Neruda morreu, como já disse, de dor e de fascismo. Era um homem perigoso para os opressores, para aqueles soldados que ocuparam a sua casa e ouviram dele: “Olhem em todos os lugares, a única coisa perigosa que encontrarão para vocês é a poesia”. O mesmo fascismo que o matou estende hoje sua sombra ameaçadora sobre a América. Usa novas roupas, vestes elegantes, mostra um rosto jovem e sorridente. Mas não nos enganemos, é o mesmo e velho fascismo, com sua face de maldade a jurar de morte a paixão e a poesia, a mirar com ódio o coração da liberdade.

 

Mas a poesia não morreu com o poeta. Como ele mesmo dizia, a poesia “tem as sete vidas do gato”. Nos dias sombrios de hoje, o que podemos dizer à memória do poeta, com a sua irrevogável esperança, são os mesmos versos que ele escreveu em homenagem a Luis Emilio Recabarren: “Juramos que a liberdade/ levantará sua flor nua/ sobre a areia desonrada./ Juramos continuar teu caminho/ Até a vitória”.

 

 

Por Joan Edesson de Oliveira

    Author: Braisil Cultura

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *