A história de José Martí contada em cordel

martijohnmanuel_k_trestauration118038

Há 165 anos, em 28 de janeiro de 1853, nascia em Havana o herói nacional de Cuba, José Martí. Em homenagem a esta data, publicamos um cordel criado pelo poeta popular, escultor, xilógrafo e produtor cultural, o cearense Hamurábi Bezerra Batista, a pedido da Associação Cultural José Martí do estado do Espírito Santo – ACJM/ES

 

 

A história de José Martí e da revolução cubana

 

Autor: Hamurábi Batista

 

 

 

Ele veio à luz em Cuba

 

A 28 do mês

 

No final desse janeiro

 

Do ano 53

 

Do século dezenove

 

José Matí, havanês.

 

Mariano era o seu pai

 

De Valência natural

 

Leonor Perez Cabrera

 

A sua mãe afinal

 

Foi jornalista e filósofo

 

Poeta, e intelectual.

 

Desde a sua mocidade

 

Suas ideias eram várias

 

E demonstrou simpatias

 

Das mais revolucionárias

 

Que havia entre os cubanos

 

Germinando aquelas áreas.

 

Quando tinha quinze anos

 

Uma rebelião surgiu

 

Em busca da independência

 

O grito bravo e hostil

 

Que libertou aos escravos

 

Desafiando o poderio.

 

Foi Carlos Manuel de Céspedes

 

Quem essa façanha fez

 

A luta de várias décadas

 

Começou naquela vez

 

Daquelas grandes pelejas

 

Nós destacaremos três.

 

Teve a Guerra dos Dez Anos

 

Ou Grande Guerra chamada

 

Também a Guerra Chiquita

 

Durante um ano travada

 

E a Guerra Hispano-Cubana

 

Ou Guerra Chica falada.

 

Numa escola secundária

 

Que cursou na adolescência

 

Do mestre Rafael Mendive

 

Nutriu a grande influência

 

Contra o domínio espanhol

 

A total independência.

 

Iniciou na política

 

O seu ativismo honrado

 

Nuns jornais separatistas

 

Diretamente empenhado

 

Mas seu professor Mendive

 

Foi preso e após deportado.

 

Com a prisão de seu mestre

 

Cristalizou sua luta

 

Numa atitude rebelde

 

Muito forte e resoluta

 

Versus a Espanha invasora

 

Acrescentando à disputa.

 

No ano 69

 

Aos seus dezesseis de idade

 

Publicou folhas impressas

 

E fez a publicidade

 

De ideias separatistas

 

E o rumo da liberdade.

 

Distribuiu um periódico

 

Numa intenção temporária

 

Por esse motivo preso

 

Em uma ação arbitrária

 

Por divulgar conteúdo

 

De ordem revolucionária.

 

Pelo invasor espanhol

 

Foi ele então condenado

 

A seis anos de prisão

 

Sob trabalho forçado

 

Que acabou resultando

 

Bastante debilitado.

 

Sendo assim que conseguiu

 

A um indulto obter

 

No ano 71

 

Para dalí ocorrer

 

Deportação para Espanha

 

Onde passou a escrever.

 

Seu estilo idealista

 

Mui presente e vigoroso

 

O tornara conhecido

 

E bastante estudioso

 

E dedicou se ao Direito

 

Com um zelo prestimoso.

 

Da República Espanhola

 

Viu sua proclamação

 

Quando escreveu sua crítica

 

À grande contradição

 

“Revolução na Espanha

 

E lá em Cuba a opressão.”

 

No ano 74

 

O doutorado ele fez

 

Em Letras, Filosofia

 

Como também fez em Leis

 

Naquela universidade

 

Que em Zaragoza perfez.

 

No ano 75

 

Para o México partiu

 

Se aproximando de Cuba

 

O objetivo incluiu

 

Com a população indígena

 

José Martí interagiu.

 

Sendo assim intensificou

 

O que batalhava em prol

 

A luta contra o racismo

 

E o clamor de sol a sol

 

A exploração da igreja

 

E o domínio espanhol.

 

Quando a Guerra dos Dez anos

 

Finalmente terminou

 

Seguindo destino a Cuba

 

Jose Martí regressou

 

E com Calixto Garcia

 

Ao Comitê que fundou.

 

Um ano de seu regresso

 

De novo foi deportar

 

Quando da Guerra Chiquita

 

Não pode participar

 

Mas pros Estados Unidos

 

Foi da Espanha pra lá.

 

Em Nova York entretanto

 

Ao Comitê organiza

 

O seu primeiro discurso

 

Nos States realiza

 

Forças revolucionárias

 

Num chamado prioriza.

 

“Com lágrimas não se conquista

 

Para os direitos o endosso

 

Para o futuro sombrio

 

Se abandonarmos o esforço

 

Da nossa terra assolada

 

E sufocada no fosso.”

 

Viajou pra Venezuela

 

No ano de 81

 

Achou com Simon Bolívar

 

A identidade em comum

 

“Os latinos das Américas

 

O povo todo é só um.”

 

Far-se-ia a pátria livre

 

E próspera a sua classe

 

Se dos Estados Unidos

 

A gente se afastasse

 

E cultivasse o cultura

 

Que ela mesma criasse.

 

Fundou o PRC

 

No ano 92

 

Escreveu um documento

 

Pra insurreição que propôs

 

Chamado de Montecristi

 

O Manifesto que expôs.

 

E regressou para Cuba

 

Do Haiti proveniente

 

Quando seiscentos soldados

 

De forma surpreendente

 

Emboscaram-no num ataque

 

Deveras muito potente.

 

Em 19 de maio

 

Foi baleado e abatido

 

Sendo depois destacado

 

Por mentor reconhecido

 

Da Revolução Cubana

 

Diretamente influído.

 

José Martí das Américas

 

Ele é de todos países

 

Do continente é a voz

 

Das lutas as mais felizes

 

Pra derrotar o império

 

As principais diretrizes.

 

Do imperialismo nascente

 

A denúncia efetivar

 

Das terríveis consequências

 

Que poderá provocar

 

Caso os revolucionários

 

Não consigam se ajuntar.

 

“Pois o revolucionário

 

Não busca por seu prazer

 

Porém o lado que possa

 

Habituar-se ao dever

 

Pois os seu sonho de hoje

 

É Lei que amanhã vai ser.”

 

“Ardentes e ensanguentados

 

Dos séculos, no caldeirão

 

Notou a ferver os povos

 

Ao dirigir sua visão:

 

No futuro a diferença

 

É resultante da ação.”

 

FIM

 

 

 

De Vitória (ES),  Cláudio Machado para o Portal Vermelho

Author: Brasil Cultura

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *