Alguns quitutes e bebidas das festas juninas

 

 

Das festas religiosas brasileiras de tradição européia, aquelas que mais se caracterizam por apresentar quitutes e bebidas típicas, são as dos mês de junho: Santo Antônio, São João e São Pedro, especialmente as duas primeiras.

Esta verificação nos levou a realizar pesquisas, no sentido de comprovar, com documentário autêntico, o que se come e se bebe, ainda nos dias de hoje, por ocasião dessas festas, em diferentes regiões do estado de São Paulo.

Concluímos, então, que a nossa tradição manda que se sirva, nas festas juninas, certos pratos típicos, salgados e doces, como por exemplo: leitão, frango cheio, bolinhos de carne, arroz-doce, canjica, mandioca em calda, bolo de fubá, de milho, broa de milho, doce de batata-doce, de abóbora, de cidra com rapadura (“furundum”), de mamão em pedaços, pão de cará, pão-de-ló cortado, paçoca, pé-de-moleque, batata-doce, mandioca e cará assados, amendoim torrado, pipoca. As bebidas acompanhantes são: “rosa-sol”, “roxo-forte”, “cabreúva”, licor de aniz, quentão, além da pinga pura e do café.

Do nosso material a título de curiosidade, divulgaremos aqui algumas das receitas desses quitutes e bebidas juninas, que se seguem:

Quitutes

Bolo de fubá
Ponha numa panela meio quilo de fubá mimoso, juntando meio litro de leite cru, açúcar a gosto e uma colher de banha. Misture bem e leve ao fogo mexendo até formar um angu bem grosso. Retire do fogo e coloque numa tigela. Acrescente quatro ovos, sal, erva-doce, fermento e mais um pouco de leite. Bata bem e leve para assar em forno quente. Forma untada.

Broa de fubá
Leve meia garrafa de leite ao fogo e quando levantar fervura ponha fubá mimoso, mexendo sempre até ficar um angu. Deixe esfriar. Junte uma colher de banha e uma de manteiga, sal, uma xícara de açúcar e quatro ovos. Amasse bem. Em mesa polvilhada, com fubá, enrole a massa fazendo as broas. Leve num tabuleiro para assar em forno regular.

Doce de cidra (furundum ou furrundu)
Rale as cidras. Deixe de molho na água durante três dias, trocando-a diariamente. No quarto dia, em água nova, dê uma fervura. Coe. Em calda grossa, feita com açúcar cristal, cozinhe até dar ponto bem apurado. Pingue em tabuleiro e seque ao sol. Quando este doce de cidra é feito com açúcar mascavo ou rapadura, chama-se furundum ou furrundu.

Pé-de-moleque
Faça uma calda com um quilo de açúcar. Quando estiver grossa acrescente meio quilo de amendoim torrado, sem as peles e moído. Deixe ao fogo mexendo sempre até dar ponto de rapadura. Despeje num tabuleiro, deixe esfriar e corte em quadrados. Pode-se fazer com rapadura, substituindo o açúcar. Algumas usam o amendoim apenas torrado e descascado.

Doce de abóbora seca
A um quilo de abóbora madura, cozida e passada na peneira, ajunte um quilo de açúcar e leve ao fogo, mexendo sempre, até que se veja, o fundo da panela. Retire do fogo, pingue em tabuleiro e leve ao sol para secar.

Bolo de farinha de milho
Escalde duas xícaras de farinha de milho com leite fervendo, adicione erva-doce, sal, dois ovos batidos, uma colher de banha, um pouco de açúcar e uma pitada de fermento. Misture bem e leve, em forma untada, ao fogo.

Paçoca de amendoim
Torre os amendoim. Tire as peles. Soque, em pilão, com um pouco de fubá e açúcar, até ficar bem pilado.

Pipoca de milho vermelho
Debulhe as espigas e coloque os grãos numa peneira de abanar café. Jogue salmoura por cima e fique peneirando na fogueira até arrebentar. Também pode ser feita com o chamado milho-pipoca.
 

Bebidas

Quentão
Com meio quilo de açúcar e gengibre ralado, ou em pedaçinhos, faça uma calda regular, nem rala nem grossa. Quando esta estiver pronta retire do fogo e adicione um litro de pinga. Leve-a depois ao fogo até levantar fervura. Costumam fazer o quentão com açúcar queimado, juntando-lhe, além do gengibre, canela e às vezes pimenta do reino.

Licor de aniz
Prepare uma calda grossa com meio quilo de açúcar e dois copos de água. Quando pronta, ponha gotas de essência de aniz, ao gosto. Retire do fogo, ajunte meio litro de pinga. Coe. Engarrafe.

Rosa sol
Faça uma calda rala com água, açúcar, canela e cravo. Ao retirá-la do fogo, junte pinga e deixe esfriar.

Cabreúva
Bata uma gemada. Adicione-lhe pinga. Misture muito bem e sirva.

Roxo-forte
É o café quente com pinga.

(Japur, Jamile. “Alguns quitutes e bebidas das festas juninas”. A Gazeta. São Paulo, 23 de junho de 1956)

    Author: Redação

    Share This Post On