Entre Quatro Paredes

Se o documentário é hoje, no Brasil, uma arte de alto nível, isso se deve em grande parte ao trabalho de Eduardo Coutinho. Diretor do clássico Cabra marcado para morrer, considerado o mais importante documentário brasileiro de todos os tempos, Coutinho acaba de lançar em DVD duplo Edifício Master, produção de 2002, que levou mais de 85 mil pessoas ao cinema. No filme, lições de estética e ética, áreas que nunca se dão de forma separada na obra de Coutinho.

A ética está na maneira como respeita os personagens, na absoluta veracidade que imprime à captação dos depoimentos, na consideração humana e moral de todos os envolvidos em seus filmes. Essa atitude continua depois de completado o filme, no acompanhamento do destino de cada participante e no convite para que sejam os primeiros a assistir ao trabalho pronto. A estética é límpida e discreta, sem uso de artifícios ou inserts, como se a realidade merecesse o cuidado de uma flor para ser colhida e, depois de registrada, se tornasse definitiva.

Edifício Master dá uma guinada na trajetória de Eduardo Coutinho. Em vez dos despossuídos do campo e das cidades, entra em cena a classe média urbana, com seus sonhos, desejos e desígnios. O filme apresenta 41 seqüências (37 capítulos do DVD), com depoimentos de moradores de um prédio de Copacabana. Verdadeira cidade, o Master tem 276 apartamentos, distribuídos em 23 andares, todos conjugados, com população de cerca de 500 moradores.

Coutinho alugou um apartamento no prédio e com pequena equipe de pesquisadores preparou as filmagens, captando depoimentos de possíveis personagens. Com apenas três câmeras, “invade” os apartamentos para dar ao morador o condão de contar sua história. O documentário começa com a chegada da equipe ao prédio, acompanhado pela câmera do circuito de segurança. Depois disso, são sempre cenas internas (sabemos que é em Copacabana, mas não se vê sinal do bairro), que descortinam ao espectador a casa e a alma das pessoas.

Além dos depoimentos, conduzidos de forma serena pelo diretor, que faz perguntas singelas e profundas como uma criança de 5 anos, o filme é pontuado por alguns planos sublimes, como a criança que bate na porta da vizinha para deixar o gato entrar, a colagem de cenas de vários apartamentos vazios (com sua diversidade de decoração, uma forma de flagrar seus moradores ausentes) e a seqüência de janelas com as luzes se apagando do final do documentário. Ao seguir a realidade sem artifícios, Coutinho se torna uma espécie de anti-Michael Moore. A ele não interessa o sentido panfletário da história, mas a força, ao mesmo tempo poética e política, que emerge do cotidiano de pessoas comuns.

O programa em DVD tem alguns bons acréscimos em relação ao filme exibido no cinema. Em primeiro lugar, traz um disco extra com as entrevistas feitas pela equipe de pesquisa. Muitos personagens crescem entre os dois momentos e se revelam maiores no momento do filme “pra valer”. O documentário, propriamente dito, pode ser visto duas vezes, uma delas com comentários de Eduardo Coutinho, que conversa sobre cada cena com Consuelo Lins e com o cineasta Walter Lima Jr., numa verdadeira aula de cinema. Por fim, há o recurso que permite embaralhar todas as cenas, com exceção das três primeiras e das duas últimas, que têm um significado na estrutura do filme. No miolo, a mudança na ordem de apresentação dos depoimentos parece mostrar um desdobramento do mundo. Edifício Master é um documentário tão rico que pode ser vários. Como as prédios das grandes cidades. Como a alma das pessoas.

EDIFÍCIO MASTER

DVD duplo, direção de Eduardo Coutinho. Extras com comentários do filme e entrevistas de seleção. Preço: entre R$ 59,90 e R$ 64,90.

 

 

 

Saiba mais sobre o Filme…

Cabra Marcado para Morrer

 

 

    Author: Redação

    Share This Post On