Brasil abre o Festival de Cannes

 

 

 

No ano em que o filme Ensaio sobre a Cegueira (Blindness) – uma co-produção entre Brasil, Canadá e Japão – abre oficialmente o 61º Festival de Cannes, na França, e cerca de uma dezena de filmes nacionais participam das diversas mostras do evento, a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (SAv/MinC), a Agência Nacional de Cinema (Ancine) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) intensificam a participação institucional em Cannes, atuando pela presença da produção audiovisual brasileira em outros países e mercados.

 

Entre 14 e 19 de maio, o secretário do Audiovisual do MinC, Silvio Da-Rin, assessorado pelo gerente Internacional da Secretaria, Pedro Rosa, cumpre agenda de encontros com órgãos de fomento e formação no campo audiovisual de diversos países. A Secretaria do Audiovisual, diretores da Ancine e a Divisão do Audiovisual do MRE farão reuniões conjuntas com representantes de Itália (Festival de Roma), Portugal (Instituto Cinema Português), Reino Unido (UK Film Council), Alemanha (German Films) e Rússia.

 

O encontro com a organização do Festival de Roma tem como pauta a participação brasileira na edição deste ano, já que o país merecerá um foco do evento que ocorre em outubro na capital italiana – para além da exibição de filmes, a presença brasileira vai se espalhar pela cidade, com mostras de arte, música e cultura brasileira paralelas ao festival.

 

Na agenda do secretário Da-Rin, também há reuniões com autoridades audiovisuais francesas, entre elas a agência de promoção internacional do cinema francês, Unifrance, que proporcionará encontros com distribuidores e produtores do mundo todo na quinta-feira, 15 de maio. No dia 16, a agenda enfoca contatos sobre a formação no setor audiovisual, com a realização de reunião com o diretor da escola superior francesa de formação em imagem e som, a FEMIS. No dia seguinte, o encontro é com a France Television.

 

O Ministério da Cultura tem agendada reunião com a Farabi Cinema Foundation, do Irã, país que tem interesse na expertise brasileira em finalização e exibição digital de filmes. No sábado, 17 de maio, o secretário do Audiovisual participa do Encontro Iberoamericano de Produtores.

 

Produções Nacionais

 

Neste ano, pelo menos 11 filmes brasileiros serão exibidos em Cannes. Ensaio sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles, abre o Festival e concorre à Palma de Ouro. Linha de Passe, de Daniela Thomas e Walter Salles, também concorre ao prêmio máximo. Outros títulos confirmados são Os Desafinados, de Walter Lima Júnior; 31 minutos, de Pedro Peirano e Álvaro Dias; Ouro Negro, de Isa Albuquerque; Sem Controle, de Chris D’Amato; Falsa Loura, de Carlos Reichenbach; e Rita Cadilac – A lady do povo, de Toni Venturi, um dos quatro vencedores da primeira edição do Programa Documenta Brasil, uma parceria entre a SAv/MinC, SBT, Petrobrás e Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão (ABPITV).

 

Convênio Ancine – CTAv: cópias e legendas

 

Os filmes A Festa da Menina Morta, Areia e O som e o resto, que serão exibidos no Festival Internacional de Cinema de Cannes, contaram com apoio do Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), órgão vinculado ao Ministério da Cultura, e da Ancine para realizar cópias e legendas. O apoio ocorre por meio de programa de suporte à participação de filmes brasileiros em festivais internacionais, realizado em cooperação entre os órgãos.

 

A Festa da Menina Morta, longa-metragem de estréia do ator Matheus Nachtergaele na direção, foi selecionado para a mostra Um Certain Regard, fora da competição do Festival. Areia, curta-metragem escrito e dirigido por Caetano Gotardo, foi escolhido para uma exibição especial, durante a Cerimônia de Abertura da Semana da Crítica. O Som e o Resto, curta de André Lavaquial, será exibido dentro da mostra CineFoundation.

 

    Author: Redação

    Share This Post On