Aramis Millarch em 30 anos de entrevistas

Aramis MillarchSetecentos e vinte horas de entrevistas com os principais artistas e personalidades do País. Tudo em um arquivo imenso de fitas cassete ou de rolo. Preciosidades que foram recuperadas e digitalizadas em um projeto que resgatou a memória de um dos maiores jornalistas e críticos do País.

Os 30 anos de carreira de Aramis Millarch (1943-1992), que se dedicou à área cultural, podem ser acompanhados nestas conversas, nas quais os entrevistados ficaram muito à vontade para falar de trabalho e também de vida pessoal.

Hoje, às 20h, será lançado um box composto por oito DVDs-ROM com as entrevistas feitas por Millarch. O evento acontece na Sala de Eventos do prédio da Pós-Graduação da Universidade Positivo, em Curitiba.

Millarch foi um dos mais importantes profissionais no jornalismo cultural brasileiro. Em toda a carreira, conseguiu realizar 570 entrevistas. Muitas delas foram feitas em táxis, saguão de aeroporto, praças.

O jornalista alcançou 50 mil artigos publicados em diversos veículos de comunicação, entre eles em O Estado do Paraná. No acervo compilado por ele também estão 5 mil livros de cinema e 30 mil LPs.

Samuel Ferreira Lago, um dos produtores do projeto de recuperação sonora do acervo de Aramis Millarch, conta que soube da existência do extenso material ao trabalhar com o filho de Millarch, Francisco.

Era um tesouro que estava se perdendo. Algumas fitas estavam ali há quinze, vinte anos. Procuramos recursos pela Lei Rouanet para preservar esta memória e conseguimos o patrocínio da Petrobras”, relata.

Entre a obtenção dos recursos e o término dos trabalhos, se passaram três anos. Também participaram da produção Rodrigo Barros Homem d’El Rei e Luiz Antonio Ferreira.

O acervo foi digitalizado e as entrevistas permaneceram na íntegra. No entanto, a equipe de produção encontrou diversas dificuldades. Entre elas, a condição de algumas fitas que sofreram com a ação do tempo; encontrar equipamentos próprios para fazer a leitura das fitas e organizar as gravações.

Como era caro, Aramis aproveitava cada minuto da fita de rolo. Algumas entrevistas estavam divididas. A mesma entrevista estava em rolos diferentes. Organizamos e deixamos todos os depoimentos na íntegra. Só trabalhamos na melhora da qualidade do som”, explica Lago. Entre as entrevistas recuperadas estão as de Elis Regina, Chico Anysio, Angela Maria e a que pode ser o último depoimento de Maísa.

Todo o material digitalizado está disponível no site www.millarch.org. O projeto também deu origem ao box com 8 DVDs-ROM. Junto vem um pequeno livro que conta a história do jornalista e fotos.

As caixas foram feitas exclusivamente para doação para bibliotecas públicas. Isto vai acontecer na sequência do lançamento e vai beneficiar 450 bibliotecas em todo o País”, afirma Lago. No site ainda é possível encontrar parte dos artigos escritos por Millarch. Este trabalho de digitalização está sendo produzido pela própria família do jornalista.

Hoje, além do lançamento dos boxes, haverá uma mesa redonda com a presença de Constantino Viaro, advogado e presidente do Museu Guido Viaro; do publicitário Elói Zanetti; Mai Guimarães; e Hermínio Bello de Carvalho, poeta e produtor cultural.

Joyce Carvalho

Clique aqui e confira muito mais…

Saiba mais…

  • A festa da Gralha Azul
  • A grande família Queirolo
  • A grande missão de Luiz Gonzaga Júnior
  • A hora e a voz do Pagode!
  • A morte de Gonzaguinha e a ressurreição de Renato
  • A MPB ameaçada de perder seu espaço na Secretaria
  • A música de Carnaval (IV) – As homenagens que as escolas irão prestar
  • A ninpha Mara ajuda Carmen gravar elepê
  • Afinal, o Paraná tem uma divisão para nossa MPB
  • Artigo em 15.04.1992
  • Artigo em 24.10.1981
  • Artigo em 28.12.1980
  • As cantoras que fazem a grande noite do Aluada (1 comentário)
  • As explicações do secretário Dotti
  • As flores voltam mas Paulinho é esquecido
  • As vozes que a Revivendo traz
  • Até enredo falta no carnaval curitibano
  • Álamo, uma etiqueta para nossos músicos
  • Buscando uma nova Elis, Olenka promove concurso
  • Canto do Nacional revela talentos entre bancários
  • Carta de Cascavel pede maior espaço para MPB
  • Cartola e Cláudio Ribeiro
  • Chega se Saudade! Ao menos em Londrina, Bossa Nova tem lugar
  • Classe solidária com o injustiçado Gerson
  • Cláudio, samba & noite
  • E Curitiba ficou fora do roteiro da Bossa Nova
  • Ecos do Fercapo
  • FERCAPO em andamento e o exemplo de Avaré
  • Geléia Geral (1 comentário)
  • Gralha Azul traz o nosso folclore
  • Homenagem aos Gonzagas transferida para abril
  • Ieda e a homenagem ao Claudionor Cruz
  • Independência dá o exemplo de cobertura carnavalesca
  • Leon vai reeditar disco de Stelinha (1 comentário)
  • Mais do que modismo, é o samba de muita categoria
  • Mentiras oficiais para justificar a violência
  • Nas músicas de nosso Carnaval o curitibano mostra a malícia
  • Nativismo nas araucárias, tchê!
  • No campo de batalha
  • No campo de Batalha
  • No campo de batalha
  • No campo de batalha
  • No campo de batalha
  • Nossos sambistas na Mangueira
  • O Carnaval e a Paranatur
  • O modificado som do Carnaval brasileiro
  • O Poeta morreu na estrada mas suas canções ficarão
  • O Som do Carnaval (II) – Da ecologia a Chocolate, os temas destes enredos
  • Observatório
  • Observatório
  • Observatório
  • Observatório
  • Observatório
  • Parada obrigatória para pensar
  • Paraná Canta o ecológico Bento
  • Paraná sem Sinhô e nem Cartola
  • Pixinguinha quer voltar ao Paraná
  • Quando se faziam músicas para mostrar nossos carnavalescos
  • Quase mil anos da jovem MPB com as Cantoras do Rádio e Meninos do Rio
  • Rei Bola em altos vôos
  • Requião vai a Exu homenagear o “Lua”
  • Sambas para escolas dá milhões a compositores
  • Só nos bairros é que se salvam as escolas
  • Surpresas e decepções nos sambas das escolas
  • Tinhorão, um cruzado em defesa de nossa cultura
  • Um encontro dos que ainda acreditam em nossa música
  • Um festival modesto que merece estímulo
  • Vítola vai de Menezes e voltou ao Não Agite
  • Yes, Curitiba também tem sambas-de-enredo (2 comentários)
  • Zezé, a mãe de Sônia Braga, veio julgar o nosso Carnaval
    • Author: Redação

      Share This Post On

      3 Comentários

      1. YYayVZ Im thankful for the post.Thanks Again. Great.

      2. hWGIvJ A round of applause for your blog. Really Cool.

      Enviar um comentário

      O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *