A saga do vinho – CINEMA

 

 

No documentário Mondovino, as duas concepções que se confrontam hoje – os vinhos de terroir, oriundos da tradição e do amor pelo ofício e da terra, e os vinhos da moda produzidos no Novo Mundo – ganham as telas

Por Kleber Mendonça Filho e Emilie Lesclaux

Em “Mondovino”, exibido na competição do Festival de Cannes 2004, e com estréia brasileira prevista para abril, o diretor Jonathan Nossiter conduz uma investigação fascinante sobre o tema da globalização, tendo como principal personagem a garrafa de vinho. Antigo sommelier de origem francesa, Jonathan Nossiter encena a guerra do mundo vinícola, que vive momentos críticos de mutação do mercado mundial dominado, até recentemente, pelo Velho Continente, particularmente pela França.

Logo no início do filme, vemos Nossiter, no litoral de Pernambuco, perguntando a dois homens se é possível fazer vinho a partir da água de coco. Já na última parte, o documentário volta ao Brasil para entrevistar dois vinicultores do vale do São Francisco (Isanette Bianchetti e Inaldo Tedesco), onde o clima particular permite duas safras por ano, ilustrando como o cultivo da uva vai se espalhando pelo mundo.

Durante três anos, Nossiter percorreu o planeta com sua pequena câmera digital, da Europa à Califórnia, passando pela Argentina e pelo Nordeste brasileiro, com o objetivo de apresentar o vinho num novo mundo. Rapidamente, entendemos que se trata de mais que um simples documentário sobre vinho, e que esse filme, visto pelo prisma da globalização, abrange outros temas, como identidade cultural, costumes, transmissão de valores e política. Um filme sobre as paixões e as lutas que cercam uma criação cultural tão antiga quanto a nossa civilização e espelho de sociedade.

Vendo “Mondovino”, deixamo-nos inebriar alegremente por essa saga planetária que, via seleta galeria de personagens, contrapõe os bons e os malvados, encarnados por figuras bem escolhidas, não sem deixar, freqüentemente, sensação de maniqueísmo.
Nossiter apresenta justamente duas concepções que se confrontam hoje: os vinhos de terroir, oriundos da tradição e do amor pelo ofício e da terra, e os vinhos da moda produzidos no Novo Mundo, resultado da alta tecnologia e de legislações mais flexíveis que as francesas. A verdade desse face a face é cruel: todo-poderosos, comercialmente, os norte-americanos conseguiram impor um padrão mundial para um novo sabor.
Sem dúvida, e para o nosso grande prazer, o documentário cede à caricatura. Nossiter sugere claramente que existe uma conivência entre industriais do vinho, enólogos e críticos. A ofensiva norte-americana na Europa toma os traços de “traidores” como Michel Rolland, o enólogo-consultor mais requisitado hoje, responsável por aplicar normas padronizadas a centenas de châteaux no mercado internacional.

Finalmente, o crítico de vinhos mais influente do mundo, Robert Parker (da revista Wine Spectator), e seu prazer sem fim de mostrar o peso da sua opinião, fazendo ações subir e descer nas bolsas. Mondovino ilustra assim os apetites financeiros que vão aos poucos substituindo conhecimentos ancestrais. No entanto, Nossiter mostra focos de resistência no próprio coração dos Estados Unidos. Um dos personagens é Neal Rosenthal, importador perspicaz de grandes vinhos artesanais.

Os melhores momentos do documentário vêm de cenas que mostram conflitos franceses, particularmente na família do “herói” do filme, Hubert de Montille. O velho vinicultor da Borgonha solta verdades hilariantes sobre o mundo do vinho, criticando a cultura “monolítica” e o que ele chama de “vinhos-puta”, de sabor fácil, produzidos hoje.

Ironicamente, o aspecto factual de Mondovino foi enriquecido com a notícia recente de que a Robert Mondavi Corporation foi vendida, em dezembro de 2004, à americana Constellation Brands, primeira negociante em vinho mundial, e obrigada a abandonar o setor dos grandes vinhos.

“Mondovino” tem o grande mérito de chamar a atenção para as transformações cruciais que estão acontecendo na cena vinícola mundial. Uma delas é a queda contínua das exportações de vinhos franceses, já há alguns anos, afetando todo o setor de vinhos e espirituosos. Bordeaux é a região vinícola mais tocada, seguida pelo Beaujolais, a Borgonha resistindo ainda.

A comparação com os vinhos do Novo Mundo (Estados Unidos, América do Sul, Austrália, África do Sul) é cruel para os vinhos franceses. No momento em que as exportações francesas caíam 12% entre 1998 e 2003, as do Novo Mundo explodiam com uma progressão de 161% no mesmo período. A crise do setor, quando o consumo do vinho continua caindo na França, deverá ser acentuada pela ótima safra de 2004 que permitiu produzir 25% a mais do que em 2003.

A crise do vinho é latente, há 10 anos, com a perda progressiva do monopólio dos vinicultores franceses sobre a produção mundial e a aparição dos vinhos do Novo Mundo, em climas mais quentes e regulares. Em 20 anos, o mercado se transformou e a produção mundial atual de vinho excede a capacidade de consumo.

Umas das críticas que podem ser feitas a Mondovino talvez seja a ausência de um dado explicativo essencial da crise vinícola francesa. Os vinhos que se beneficiaram durante muito tempo do label “França” não estão mais à altura, num mercado mundial em mutação.
A globalização não é novidade na área do vinho, mas, hoje, vinhos estão sendo produzidos nos quatro cantos do mundo e oferecem, muitas vezes, uma relação qualidade-preço mais interessante que a maioria dos vinhos franceses.

O documentário deixa de fazer uma constatação importante: o sistema francês de AOC (Apelação de Origem Controlada, associação de uma região e de um produto, cujas características são o resultado de fatores naturais e humanos) está em crise.
Concebidas em 1935 como um sistema que protegia uma notoriedade estabelecida, garantindo ao consumidor um terroir, um savoir-faire e um mínimo de qualidade, as apelações foram progressivamente sendo auto-administradas pelos vinicultores nos seus próprios interesses. Algumas AOC começaram a aumentar terrenos de cultivo e a utilizar produtos químicos. A inflação de AOC esvazia essa qualificação do seu sentido original e permite a generalização da mediocridade.

É um processo que poderá acarretar mudanças preocupantes na noção tradicional de vinho (irrigação dos vinhedos, utilização de colorantes e químicos), preocupação que se choca com a pergunta “como competir com países onde impérios industriais trabalham com volumes gigantescos e uma mão-de-obra muito mais barata?”
Nessa luta que está apenas começando, o destino do vinho está na diferenciação: o aporte mineral de terroirs variados e o valor do savoir-faire. Frente à crise e aos processos globais de massificação do gosto, a salvação pode vir dos vinicultores talentosos que escolherem a exceção.

 

Kleber Mendonça Filho e Emilie Lesclaux – KMF é cineasta e crítico de cinema e Emilie é formada em Ciência Política, com especialização em Desenvolvimento.

    Author: Redação

    Share This Post On