Palmatórias do mundo

claudia_webFujam todos! Um batalhão está formado. Vem marchando e impondo seus conceitos, ou pior, seus novos conceitos. Reconheço que estou cada vez mais ácida e irreverente. Hoje faço a escolha das pessoas que me cercam e até aonde vou. Deve ser a maturidade. Sair de casa para ser mal atendida ou suportar conversas filosóficas não faz mais sentido. Fico em casa.

 

O meu problema não é com ideologias ou religiões. É com os recém-iniciados que ainda estão na fase da paixão. Como são chatos! Daí vem o festival de bolas foras. Uma conhecida Neo Vegetariana, daquelas que faz o discurso do pobre carneirinho que chora ao morrer, deixou escapar: – Cheguei em casa agora, fui ao mercado e comprei um vinho e um salaminho. Que raiva! Eu que como carne ando sonhando com salaminho, mas estou proibida de comer. Falar o que? Fingi que não ouvi. Medo que criasse um discurso pró-salaminho e tentasse me fazer acreditar que existem plantações.

 

Os ex-fumantes são um show. Concordo que parar de fumar é difícil e daí se tem a real noção de como é horrível o cheiro da fumaça. Mas daí dar aulas de fisiologia já é demais. E a conversa começa assim: – Fumei por 25 anos… Haja paciência. Neste caso faço cara de paisagem e deixo falar. É mais ou menos como testemunho em culto evangélico. Se faz bem para eles colocar para fora o arrependimento, que o façam. Quem sou eu para contrariá-los.

 

Os eco chatos estão em surto coletivo por conta do Novo Código Florestal. Vejam bem, não me refiro a agrônomos, engenheiros florestais e tantas outras profissões ligadas a terra. E sim àqueles que ouviram uma conversa aqui, outra ali e formaram juízo sobre o assunto. Neste caso não consigo ficar quieta como nos casos acima. Pergunto sobre qual tema, tecnicamente falando, eles são contra. E daí vem o argumento que o país será devastado. Credo! Eu que passei a vida discordando do PCdoB, desta vez concordo em inúmeros pontos com o Aldo Rebelo. Então aproveito e faço sempre, de forma humilde, o pedido de que leiam o projeto, marquem o que não concordam e procurem alguém que esclareça as suas dúvidas. Mas não, surto é surto, e de imediato sacam suas maquininhas de rotular.

 

Vejam só, tive que ouvir que vou passar a eternidade no inferno. Fumo, como carne, não me casei em nenhum rito religioso e bebo (três vezes por ano no máximo). Sim, tenho que aguentar este tipo de coisa. Hitler não bebia, não fumava, era vegetariano, mas era o Hitler. Será que está no céu?

 

Gostaria de saber se os politicamente corretos, que vivem a me atormentar, praticam no dia a dia o que pregam. Aposto que sou mais radical que eles em várias coisas. Jamais, eu disse JAMAIS, me sentei ou estacionei em lugares de idosos e deficientes. Não imponho a fumaça do meu cigarro a ninguém. Não me sinto superior a ponto de querer fazer lavagem cerebral nas pessoas com as minhas teorias, sobre meu modo de viver. Não me interessa se as pessoas são homo ou heterossexuais, negras, brancas, roxas de bolinhas amarelas. Ricas, pobres, burras, inteligentes. Me interesso pura e simplesmente por pessoa. Sou sonhadora, desejo, busco a felicidade. Quem quiser viver na prepotência e no autoritarismo, por favor, se afaste de mim.      

claudia_wasilewski_140x140CLAUDIA WASILEWSKI                      

Author: Redação

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − quatro =