Ziraldo e a importância da brasilidade

ziraldo_4116130

Por José Carlos Ruy

Na boa tradição da crítica pelo humor e pela palavra, sua área de mira são antes os costumes do que propriamente a ação política. Embora, como jornalista veterano e praticante, esta nunca lhe tenha sido alheia. Ambas as críticas, de costumes e política, andam de mãos dadas em sua atividade intelectual e artística. Criou, por exemplo, em 1960, a Turma do Pererê, que valorizou a criação e a cultura brasileira (entendida de forma ampla, “antropológica”), e que durou até 1964, quando teve que fechar aquela experiência brasileira em quadrinhos depois do golpe militar ocorrido naquele ano.

A preocupação, que é política, com as coisas do Brasil aparece em seu trabalho, ao lado da luta bem humorada e intransigente contra formas de opressão política e “de costumes”, que se traduzem em atentados contra a democracia e contra a liberdade pessoal. E que o levou à prisão, em dezembro de 1968, um dia depois da imposição pela ditadura do Ato Institucional nº 5.
Mas não se acanhou. Nem se calou. E poucos meses depois esteve entre os jornalistas que lançaram um dos mais mordazes jornais, que se esmerava em rir não só costumes, mas sobretudo da ditadura, dos generais e dos ridículos hábitos da direita: O Pasquim, cujo primeiro número circulou em 26 de junho de 1969.

Mas talvez tenha sido no governo Sarney (1985-1989) que esse compromisso com a democracia e a brasilidade tenha se manifestado com mais visibilidade. O ministro da Cultura era o artista plástico e designer Aloizio Pimenta, que o nomeou para dirigir a Funarte. E ali, Ziraldo protagonizou um debate de grande significado. A preocupação de Ziraldo com a cultura brasileira apareceu então em um texto dirigido ao ministro, no qual ele defendia o apoio oficial a manifestações de arte e cultura ligadas ao povo – entre elas a culinária – dentro de uma concepção ampla da cultura popular que, em sua opinião, devia se apoiada pelo Ministério.

A polêmica que se abriu foi intensa e reveladora da oposição que existe, no campo da luta de ideias, aqueles que defendem os traços da brasilidade, aos que, assumindo um cosmopolitismo mal interpretado, voltam as costas para o Brasil e para o povo.

Rapidamente a Folha de S. Paulo, que já se distinguia como porta-voz de pontos de vista antibrasileiros, apelidou o programa apresentado por Ziraldo como “a cultura da broa de milho”, definindo com clareza aqueles campos.

Aluisio Pimenta (cuja passagem pelo ministério da Cultura foi abreviada pela celeuma causada pela direita “pós-moderna”), resumiu a polêmica quando disse: “A arte e a literatura são importantes, mas esquecemos a cultura, do ponto de vista antropológico. Não aceitamos a globalização como está sendo imposta. Não sou xenófobo, mas o fast food tomou conta do país”, disse ele.

E Ziraldo, em 19 de julho de 1999, ao ser entrevistado no programa Roda Viva, da TV Cultura, resumiu seu compromisso, que é cultural e político: “Eu tenho um propósito, eu, pessoalmente. Eu sou um escoteiro. Eu tenho propósito. A partir do momento que você tem um espaço onde você fala para mais de duas pessoas ao mesmo tempo, num país onde tudo tá para ser feito, você tem responsabilidades. (…) Quer dizer, você não pode ser leviano. Eu não estou interessado em vender muita revista. Eu não estou interessado. Eu não estou interessado em fazer um grande sucesso comercial. (…) Eu quero botar minhoca na cabeça das pessoas, eu quero reflexão. O que eu quero é que a sociedade reflita, eu quero é que as famílias pensem. (…) Então, de que maneira eu posso contribuir? Fazendo as minhas revistas, fazendo meus livros para criança (…) É isso”.

Do Portal Vermelho

 

    Author: Brasil Cultura

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *