Prêmio Cultural Loucos pela Diversidade

                                   premio-cultural-loucos-pela-diversidade                 O Ministério da Cultura anunciará nesta terça-feira, 12 de maio, dentro do Encontro Internacional Reformas Psiquiátricas e Transformação Cultural no Brasil e no Mundo: 30 anos da Lei Franco Basaglia, o lançamento do Edital Prêmio Cultural Loucos pela Diversidade 2009 – Edição Austregésilo Carrano. O secretário da Identidade e da Diversidade Cultural, Américo Córdula, representará o MinC na abertura do encontro, que ocorre na noite desta segunda-feira, 11 de maio, em Salvador.

Em sua primeira edição, o Edital é uma parceria entre os Ministérios da Cultura (MinC) e da Saúde (MS), respectivamente por meio da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental (LAPS) e a Caixa Econômica Federal.

O processo que culminou no lançamento da premiação teve início em 2007 quando a SID/MinC e a Fiocruz realizaram a Oficina Loucos pela Diversidade, com o objetivo de construir ações e diretrizes para as políticas públicas de cultura. Além desse edital, a iniciativa resultou em publicação com o mesmo nome, a qual já teve distribuídos mais de 3 mil exemplares em diversos eventos de âmbito nacional e internacional. Saiba mais.

Homenagem a Austregésilo Carrano

É tradição da SID/MinC homenagear, a cada edital de premiação, personalidades de destaque do segmento cultural em que atua. Neste primeiro edital de fomento à produção artístico-cultural no campo da saúde mental, o escolhido foi Austregésilo Carrano Bueno. O escritor paranaense, que faleceu no ano passado, notabilizou-se como integrante do Movimento da Luta Antimanicomial e inspirou o personagem principal do filme Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky.

A homenagem a Carrano não se encerra na sua importância histórica e simbólica na luta antimanicomial, mas pela coragem de expor sua vida em uma obra literária. Transportado para o cinema, o drama tornou pública a necessidade de construir uma sociedade sem manicômios, com a denúncia de maus tratos na cultura manicomial da psiquiatria brasileira.

    Author: Redação

    Share This Post On