Por trás do riso.

Por trás do riso.STF cria uma brecha para o coronelismo. Decisão permite que emissoras se posicionem em favor de candidatos. Num país onde 348 tevês e rádios estão na mão de políticos, isso traz riscos de abuso.

Colocar dentes de vampiro em José Serra, masculinizar a voz de Dilma Rousseff, exagerar na magreza de Marina Silva – está tudo liberado. A decisão do Su­­­premo Tribunal Federal (STF) que modificou a legislação eleitoral há uma semana é celebrada por humoristas como um marco a favor da liberdade de expressão, mas não se limitou às piadas. Emissoras de rádio e televisão também passaram a poder emitir opinião favorável ou contrária a qualquer candidato, na programação normal e no noticiário, prerrogativa que tem pouco a ver com brincadeira.

Diferentemente dos meios de comunicação impressos (como jornais e revistas) e da internet (blogs e sites de notícias), as emissoras de rádio e televisão dependem de concessão estatal para funcionar. A mudança na lei, entretanto, abre brecha para que políticos que possuem ou são ligados a concessões públicas sejam favorecidos durante as campanhas.

 

Segundo levantamento do Instituto de Estudos e Pesquisas e Comunicação (Epcom), pelo menos 271 políticos são sócios ou diretores de 348 emissoras de rádio e TV espalhadas pelo país. São 147 prefeitos, 55 deputados estaduais, 48 federais, 55 senadores e uma governadora – Roseana Sarney (PMDB-MA), acionista do grupo Mirante. A estimativa é subestimada, já que é comum o uso de “laranjas” para disfarçar a atuação no setor.

Além desse conflito de interesses, a decisão do STF entra em choque com o conceito de concessão pública. “Na medida em que o Estado concede o direito para alguém gerir um canal de rádio e televisão e, ao mesmo tempo, é permitido que esse veículo opine durante o período eleitoral, é como se o próprio Estado estivesse emitindo opinião e interferindo no resultado das eleições”, diz o especialista em direito eleitoral Guilherme Gonçalves, professor do Centro Universitário Curitiba.

O princípio da Lei 9.504/1997, que estabelece normas para as eleições, procura dar isonomia no tratamento da imprensa aos candidatos. Nesse sentido, as regras são mais restritas para rádio e televisão. “É preciso avaliar que esses meios têm mais poder de persuasão. O telespectador, por exemplo, é muito mais passivo do que o leitor de um jornal”, afirma o professor de Direito Civil da Universidade Federal do Paraná Rodrigo Xavier Leonardo.

O texto possui 107 artigos e as mudanças promovidas pelo STF revogam apenas dois incisos contidos no artigo 45 (veja a íntegra deles no box ao lado). A modificação foi provocada por uma ação direta de inconstitu­­­cio­­­nalidade (Adin) movida pela As­­sociação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). A entidade argumentava que os dispositivos impediam manifestações de humor em programas que pudessem degradar ou ridicularizar candidatos nos três meses anteriores à eleição, o que seria contrário ao direito constitucional à liberdade de expressão.

A ação contou com o apoio maciço de humoristas, que organizaram uma passeata com cerca de 500 pessoas no dia 22 de agosto, no Rio de Janeiro. A pressão impulsionou a Adin, que tramitou em tempo recorde para os padrões do STF. O processo chegou à Corte no dia 24 de agosto; dois dias depois, os incisos foram suspensos em caráter liminar pelo ministro-relator Carlos Ayres Britto; e a decisão foi confirmada em plenário no dia 2 de setembro por seis votos a três.

No julgamento, Ayres Britto tentou estabelecer limites para a veiculação de opiniões. “Nos editoriais é possível fazer críticas. O que não se pode é encampar, patrocinar, bancar determinada candidatura”, disse.

Crítica

O presidente do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral, Luiz Fernando Pereira, diz que, dentro desse formato citado pelo ministro, o direito à crítica nunca foi cerceado. Para ele, há uma “polêmica exagerada” em torno da questão. E isso pode levar a uma coação de juízes eleitorais. “A decisão do Supremo e toda a repercussão disso na imprensa podem gerar um receio no Judiciário. Ninguém vai querer posar de inimigo da liberdade de expressão.”

Como contraponto, o diretor de assuntos legais da Abert, Rodolfo Machado Moura, explica que a decisão do STF não incentiva ou libera abusos. “Os ministros não deram um salvo-conduto para as emissoras fazerem o que bem entendem.” Segundo ele, o uso político da opinião pode ser enquadrado como crime eleitoral de abuso de poder econômico ou de uso indevido de meios de comunicação.

“A Justiça vai se posicionar caso a caso. Na prática, é parecido com o que já ocorre hoje”, afirma. A condenação por esses crimes pode levar à cassação do registro de candidatura e a multas entre R$ 20 mil e R$ 50 mil para as emissoras.

 

Na forma da lei

Entenda as mudanças estabelecidas pelo STF nas regras eleitorais para emissoras de rádio e televisão:

– Por 6 votos a 3, os ministros suspenderam há uma semana dois trechos da Lei 9.504/1997, que estabelece normas para as eleições.

– Os textos estavam contidos nos incisos 2 e 3 do artigo 45, que têm a seguinte redação:

– A partir de 1º de julho do ano da eleição, é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário:

– Inciso 2- usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação, ou produzir ou veicular programa com esse efeito;

– Inciso 3- veicular propaganda política ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus órgãos ou representantes.

– O STF suspendeu todo o inciso 2 e o seguinte trecho do 3: difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus órgãos ou representantes.

– Segundo o voto do ministro-relator do processo, Carlos Ayres Britto, a manifestação de opinião deve ser feita em “editoriais”, mas não especificou normas. Ele ressaltou que continua vedado “encampar, patrocinar, bancar determinada candidatura”.

– Embora libere a manifestação de opinião, a decisão não alterou dois outros incisos do artigo 45. O inciso 4 impede o tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação. O 5 veda veiculação ou divulgação de filmes, novelas, minisséries ou qualquer outro programa com alusão ou crítica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente, exceto programas jornalísticos ou debates políticos.

Tribunal preferiu garantir liberdade

Apesar de abrir margem para o favorecimento eleitoral de políticos ligados a emissoras de rádio e televisão, a decisão do STF fortaleceu o conceito de liberdade de expressão estabelecido pela Constituição.

 

    Author: Redação

    Share This Post On

    53 Comentários

    1. i think that Budget Protector is the only app for methe good thing about it is that Rather seeing how much we spend and then saving the rest, we\’re determining how much we need to save, and then spending the rest

    2. I have been examinating out some of your articles and i can claim nice stuff. I will make sure to bookmark your blog.

    Trackbacks/Pingbacks

    1. XxflFGLV - XxflFGLV... --...
    2. BBqvCahJ - BBqvCahJ... --...
    3. Cheap Ray Ban Sunglasses - Cheap Ray Ban Sunglasses... Por trás do riso. | Brasil Cultura...
    4. Ralph Lauren Outlet - Ralph Lauren Outlet... Por trás do riso. | Brasil Cultura...
    5. TRX SUSPENSION TRAINING - TRX SUSPENSION TRAINING... Por trás do riso. | Brasil Cultura...

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *