Morre artista plástico Frans Krajcberg, aos 96 anos

Frans-Krajcberg

Nascido na Polônia em 1921, mas que se definia como brasileiro por já morar há quase 60 anos no país, morreu nesta quarta-feira (15), aos 96 anos, Frans Krajcberg, um dos artistas plásticos de maior projeção internacional e que ficou conhecido por trabalhar sua obra em madeira calcinada de incêndios ambientais. Essa era uma das formas que o artista tinha de chamar a atenção para a degradação das florestas.

Krajcberg estava internado havia um mês no Hospital Samaritano, em Botafogo, na Zona Sul da capital fluminense, com quadro de infecção. O corpo do artista será cremado e as cinzas serão levadas para o Sítio Natura, em Nova Viçosa, no sul da Bahia.

Polonês de nascimento, artista dizia que era brasileiro
Polonês de nascimento, artista dizia que era brasileiro

Escultor, pintor, gravador e fotógrafo, Krajcberg estudou engenharia e artes na Universidade de Leningrado e mudou-se para a Alemanha, ingressando na Academia de Belas Artes de Stuttgart, depois de ter perdido todos os seus familiares em um campo de concentração, durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1948, o artista plástico chegou ao Brasil, residindo primeiro no Paraná, e em 1956 no Rio de Janeiro, onde dividiu o ateliê com o escultor Franz Weissmann (1911-2005). Em 1951, ele já havia participado da 1ª Bienal Internacional de São Paulo, com duas pinturas. Em 1957, ele naturaliza-de brasileiro.

Krajcberg passa a residir em Nova Viçosa, na Bahia, a partir de 1972, e amplia seu trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais. Intervém em troncos e raízes, entendendo-os como desenhos no espaço. Essas esculturas fixam-se firmemente no solo ou buscam libertar-se, direcionando-se para o alto. A partir de 1978, atua como ecologista, luta que assume caráter de denúncia em seus trabalhos: “Com minha obra, exprimo a consciência revoltada do planeta”, disse, em registro da Enciclopédia Itaú Cultural.

O artista plástico viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso, e registra por meio da fotografia os desmatamentos e queimadas em imagens dramáticas. Dessas viagens, retorna com troncos e raízes calcinados, que utiliza em suas esculturas.

Na década de 1980, inicia nova série de “gravuras”, que consiste na modelagem em gesso de folhas de embaúba e outras árvores centenárias, impressas em papel japonês. Também nesse período realiza a série africana, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. Krajcberg sempre fotografa as suas esculturas, muitas vezes tendo o mar como fundo. O artista, ao longo de sua carreira, mantém-se fiel a uma concepção de arte relacionada diretamente à pesquisa e utilização de elementos da natureza. A paisagem brasileira, em especial a floresta amazônica, e a defesa do meio ambiente marcam toda a sua obra.

FONTE

    Author: Brasil Cultura

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *