Expressionismo

 

O Expressionismo, através da distorção de formas e uso característico de cores e linhas procura imprimir impacto emocional aos trabalhos artísticos. De um modo geral, o termo pode designar qualquer trabalho na História da Arte em que o naturalismo cedeu espaço a essa representação emocional e distorcida do mundo – freqüente na arte nórdica. Entretanto, como um movimento (e escrito com maiúsculas), o Expressionismo tem suas origens no final do século XIX e começo do século XX, principalmente através de artistas como Van Gogh, Gauguin (que, apesar de ser considerado simbolista, exerceu grande influência sobre o movimento, exatamente através do aspecto simbólico de suas obras e exotismo), James Ensor (com seu isolamento e expressionismo místico. “Menina com Boneca” pode exemplificar sua obra), Munch e o grupo parisiense Fauves (liderado por Matisse). No desenvolvimento do expressionismo alemão teve grande importância os tratados de Worringer sobre a arte nórdica e o inquieto homem nórdico, com sua tendência para a realização de trabalhos intensos e a distorção de formas que expressassem um mundo hostil, que acabaram por fornecer justificação teórica para o expressionismo (são eles “Abstraktion und Einfühlung”, de 1908 e “Formprobleme der Gotik”, de 1912). Além disso, dois grupos influentes expressionistas foram montados no país: Die Brücke, em Dresden, 1905 e Der Blaue Reiter, em Munique, 1911 – 1912. Apesar da formação desses grupos, o expressionismo fundamenta-se basicamente na individualidade e alto grau de subjetividade do artista, expressando, na grande maioria das vezes, naturezas isoladas e místicas. (Nesse ponto, cabe ressaltar o papel da formação dos grupos mais como uma estratégia de melhor divulgação de idéias e concentração mais fácil de meios materiais para a realização de trabalhos). Paula Modersohn – Becker (1876 – 1907), por exemplo, apesar de extremamente influente no movimento, manteve-se bastante isolada e com um trabalho independente que de modo algum pode deixar de ser considerado expressionista. Suas principais influências eram Gauguin e van Gogh (compreendidos de um modo muito particular), os Fauves – com quem teve contato na França – e até o romantismo alemão. Käthe Kollwitz (1867 – 1945) e Karl Hofer (1878 – 1955) são outros exemplos de artistas independentes, com fortes trabalhos expressionistas. Os fundadores do Die Brücke (A Ponte) foram Ernst Ludwig Kirchner (1880 – 1938), os arquitetos Fritz Bleyl, Erich Heckel e Karl Schmidt-Rottluff. Juntaram-se a eles Otto Mueller (1874 – 1930), Max Pechstein (1881 – 1955) e Emil Nolde (1867 – 1956), entre outros. O grupo era bastante próximo estilisticamente dos Fauves, também bastante influenciados por Gauguin e van Gogh e bastante habilidosos no trabalho com xilogravuras. Nolde, apesar de ter ficado menos de dois anos no grupo, merece destaque especial. A temática religiosa era bastante presente em suas obras (sugerindo proximidade com as cenas fantasiosas e emocionais do pintor Hieronymus Bosch (1410 – 1516). “Santa Maria do Egito entre os Pecadores” e “O Limoal” são bons exemplos de seus trabalhos. O grupo dissolveu-se em 1913 (apesar de seus artistas continuarem fiéis ao expressionismo) com o aumento das diferenças estilísticas e as exigências do mercado comercial, difundindo o expressionismo na Alemanha. Em Munique, desde 1911, outro agrupamento, o Der Blaue Reiter (O Cavalheiro Azul, nome vindo de uma pintura de Kandinsky), formava-se, contando com artistas extremamente importantes para a arte do século XX, como Wassily Kandinsky, Paul Klee (1879 – 1940) e Franz Marc (1880 – 1916). Apesar da curta duração – dissolveu-se na Primeira Guerra Mundial – o grupo, que se concentrava bastante na condição espiritual do homem, foi bastante influente. Franz Marc concentrava-se principalmente na representação de animais (seguindo as distorções expressionistas, como atesta “Destinos dos Animais”) destacando-se seus estudos de cavalos vermelhos e azuis. O artista morreu na Primeira Guerra Mundial. O russo Kandinsky, além de suas obras artísticas, como as pinturas sem preocupações com a objetividade e sim com a expressividade e espontaneidade, é considerado um dos mais importantes artistas do século. Seus escritos sobre arte também exerceram grande influência sobre os artistas contemporâneos (em que formula, por exemplo, ser a obra de arte uma expressão exterior de necessidade interna). Destacam-se “Sobre o Espiritual na Arte”, publicado em 1912, com literatura de arte e “Improvisações”, como amostra de suas pinturas expressionistas. O suíço Paul Klee é outro importante nome da arte do século XX que esteve ligado a esse movimento expressionista de Munique a partir de 1912. Entretanto, Klee, ao longo da carreira, mostrou-se dono de um estilo próprio e bastante individual, que tornam difícil considerá-lo apenas um artista expressionista. Realizou pinturas, desenhos, trabalhos gráficos (como a série de águas-fortes “Invenções”), escreveu teorias sobre arte. É difícil optar por qualquer obra representativa de seu trabalho, devido à enorme variedade que existe entre elas. São algumas obras suas: “Cabeças”, de 1913, “Cena de Batalha da Ópera-Cômica Fantástica Simbad, O Marujo”, de 1923 e “La Belle Jardinière”, de 1939. Uma das principais características de sua produção é o abstracionismo, a importância da cor (adquirida especialmente após uma viagem à Túnis), do movimento e a aproximação que faz entre a música e as artes plásticas, com suas “sonoridades colorísticas”. É famosa sua frase “A arte não restitui o visível; ela torna visível”. Busca representações que possam expressar a natureza mais fundamental do homem, os arquétipos, sem deixar, contudo, que sua obra perca o humor característico. Lecionou ainda na Bauhaus de Weimar e na Academia de Dusseldorf. No Museu de Berna, Suíça, foi criada a Fundação Paul Klee.

Autoria: Sonia Regina Rodriguez

 

    Author: Redação

    Share This Post On