Pré-lançamento do documentário Maé da Cuíca em Curitiba

Neste domingo dia 24 de agosto, acontece o Pré-lançamento do documentário Maé da Cuíca, Vila Tassi e a Bateria Boca Negra, de Nivaldo Lopes e Eduardo Prante, e roda de samba com Samba do Sindicatis.

O samba em Curitiba nasceu e cresceu à sombra dos eucaliptos da Vila Tassi, a comunidade dos ferroviários de Curitiba cujas fronteiras, limitadas pela linha do trem, iam do Estádio Durival Britto e Silva até onde hoje é o prédio dos Moinhos Anaconda, no antigo bairro Capanema.

Foi ali que Ismael Cordeiro, o Maé da Cuíca (1927-2012), foi rei. Observando os mais antigos, inventou a batida inconfundível do samba de Curitiba e criou, em 1945, a primeira escola de samba da cidade, a Colorado. Ali, Maé foi líder artístico e político, além de símbolo vivo da identidade da comunidade negra da cidade que sempre quis ser europeia. Da Vila, sobraram apenas “três casas”.

 

As histórias de Maé, de sua vila e de seu tempo, porém, estão contadas no documentário Maé da Cuíca, Vila Tassi e a Bateria Boca Negra, dos diretores curitibanos Nivaldo Lopes e Eduardo Prante.

Nivaldo Lopes e Eduardo Prante

O pré-lançamento do filme acontece neste domingo, durante o lançamento do Projeto Maé da Cuíca, que inaugura um ciclo de homenagens à velha guarda do samba de Curitiba. A festa, na Sociedade Treze de Maio, será comandada pela roda do Samba do Sindicatis, que irá tocar o repertório de músicas do mestre sambista.

O filme reúne, em 56 minutos, depoimentos do próprio Maé e de figuras importantes do samba local, como o historiador João Carlos Freitas, o carnavalesco Glauco Souza Lobo, os compositores Homero Réboli e Cláudio Ribeiro e sambistas como Mãe Orminda, Susto, Binho Cordeiro (filho de Maé) e outros.

“A Vila Tassi era um núcleo de resistência cultural onde se praticavam a capoeira, a roda de jongo as culturas ancestrais. O Maé era o pivô deste processo todo e contando a história dele tentamos contar a história da Vila Tassi e da comunidade do samba, pois elas se misturam”, observa Lopes.

Ele destaca que o filme conseguir resgatar “materiais de arquivo preciosos” de ensaios da Colorado. “Temos 30 segundos de um desfile de 1958 da Colorado aqui no Centro e um minuto e meio de som original do ensaio da Colorado, que usamos durante o filme todo. É veneno puro”, avalia.

Há ainda imagens de personagens marcantes do carnaval, como os sambistas Mamangava, Picolé e Chocolate, e também de Sônia, a lendária passista da Colorado, assassinada na véspera de um desfile.

Segundo Prante, o filme aborda a questão da formação da identidade negra em Curitiba. “Ele e o pessoal da antiga contam que a separação da cidade branca e a vila dos negros era bem delimitada e parecia intransponível. É o Maé que rompe esta barreira”, ressalta.

O grande destaque do filme, porém, são os depoimentos do próprio Maé em sua casa, no Centro de Curitiba, em fevereiro de 2012 (ele morreu em dezembro daquele mesmo ano). “Você passa a conhecer outra Curitiba, do samba, que é um pouco submersa e muita gente não conhece. Ela existe e é forte”, afirma.

Serviço:

Dia 24 de agosto de 2014

Sociedade Treze de Maio (R. Des. Clotário Portugal, 274, Centro), (41) 9198-6607. Hoje, a partir das 15 horas. R$ 7.

Fonte

 

    Author: Redação

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *