Lu Vitti faz show com repertório de seu primeiro álbum, HOJE, no Sesc Belenzinho

original_Lu_Vitti_-_ft_Humberto_Morais_lw

Lu Vitti apresenta, dia 10 de setembro às 18h, no teatro do Sesc Belenzinho, seu show de lançamento do álbum Lu Vitti. Um time de feras faz parceria com a cantora : Rubem Farias (baixo), Marco da Costa (bateria), Tomati (guitarra), Erik Escobar ( piano) e Chrystian Galante ( percussão).

Dona de uma voz única, Lu Vitti imprime seu DNA em músicas inéditas, autorais e clássicos revisitados com roupagem roqueira. Ela interpreta diferentes tipos de mulheres ao abordar um tema muito conhecido, mas que nunca sai de moda – o amor em todas suas nuances.Nesse universo há paixões de arrasar quarteirão, o momento em que o playboy folgado não tem vez em Perdeu, Playboy, a vingança é lenta e (quase) indolor em Vingança e até as boas-vindas do avô para sua netinha Luciane, música composta pelo avô de Lu Vitti, Dércio Ferezin, cantor na época de ouro do rádio. Ainda no repertório clássicos como Let’s Play Thatde Torquato Neto e Macalé, O Meu Amor de Chico Buarque, Blues do Ano de Cazuza/Nilo Romero/George Israel, entre outras. O CD tem a direção musical assinada por Rubem Farias. O show conta também com duas canções autorais da banda Fábrica de Animais, de Fernanda D’Umbra

Sobre Lu Vitti

Lu Vitti nasceu em Ribeirão Preto em uma família de músicos, e sua maior influência foi seu avô, Dércio Ferezin. Logo, suas primeiras referências como intérprete vieram de cantores como Orlando Silva, Lupicínio Rodrigues e Dolores Duran. Mudou-se para São Paulo em 2001, onde trabalhou como atriz para importantes diretores e companhias e deu continuidade ao seu trabalho como cantora em bares e casas noturnas com um repertório de clássicos do rock, blues e MPB. Realizou vários shows com grandes nomes da música instrumental, entre eles Bocato, Rubem Farias, Filó Machado, Marco da Costa e José Neto, entre outros. Também já se apresentou em festivais na Europa com Rubem Farias, que também é produtor de seu primeiro álbum.

Bocato – reconhecido internacionalmente como um trombonista, compositor, arranjador de primeiráissima linha. O músico que já esteve ao lado de Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção, Rita Lee, Elis Regina,Ney Matogrosso, Roberto Carlos, entre outros, além de festivais de jazz pelo Brasil e exterior.

Rubem Farias – um dos melhores Baixista do Brasil também produtor musical, trabalhou com diversos artistas com destaque no cenário pop e jazz nacional e internacional, atualmente vivendo em Stockholm Suécia nasceu em salvador Bahia onde começou os seus estudos musicais como autodidata mas foi em São Paulo o seu encontro com o Jazz e a musica instrumental aos 10 anos. Aos 13 anos de idade entrou na Universidade livre de Musica Tom Jobim onde teve contato com Roberto Sion, Paulo Braga ( pianista), Gabriel Bahlis, Maestro Cyro Pereira , Roberto Bomilcar entre outros grandes músicos, ainda muito jovem palcos e gravações com diversos músicos de Jazz e da noite de São Paulo entre eles Arismar do Espirito Santo, Cuca Teixeira, Wilson Teixeira, Michel Leme, Carlos Tomati, Douglas Las Casas, Djalma lima, Banda Red, Bira Marques, Bocato, Filó Machado entre outros.

Fernanda D´Umbra – é vocalista da banda Fábrica de Animais, que tem dois álbuns lançados pelo Selo Baratos Afins com produção de Luiz Calanca. Realiza também um trabalho solo onde se dedica à pesquisa de músicas gravadas por cantoras estadunidenses e que resultou no show Negra. Participou do In-Edit Brasil com o filme “De Carona com a Fábrica de Animais”, dirigido por Edson Kumasaka. É também atriz, diretora e roteirista. Viciada em histórias em quadrinhos escreveu o prefácio do álbum “Meus problemas com as mulheres”, de Robert Crumb.

Ficha técnica

Produção Local: Andréia Couto

Direção Musical : Rubem Farias

Cenário : Gigi Manfrinato e Sandra Lee

Técnicos de som : Othon Ribeiro

 

Lu Vitti por Mário Bortolotto

UMA CANTORA ENCONTRANDO SUA VOZ

” Conheço a Lu Vitti há muito tempo. Do tempo que ela era Lu Vitaliano. E ela era garçonete ali na Treze de Maio. E foi o Marcos Loureiro que me apresentou. Ele falou: “Essa mina canta pra caralho”. E a gente (a banda “Saco de Ratos”) tava começando a fazer aqueles shows no X. E ela aparecia lá. E eu chamava ela pra cantar com a gente. E ela arrebentava. Sempre. Não conseguia fazer diferente. E aí ela cresceu. Como mulher e como cantora. Vi ela cantando com o Bocato. E cantando jazz com um grupo infernal. E sempre achei du caralho, é claro. Ela gosta muito de contar histórias no meio das músicas. Então eu gritava da platéia: “Lu, para de falar e canta, caralho”. Eu sou ranzinza. Nada demais. A Lu faz stand up musical. Ela é despudorada contando as histórias dela. E todo mundo se diverte. A Lu é um vulcão. Na última quinta-feira ela foi cantar lá no teatro. Eu sentei com minha dose de whisky no sofá e fiquei assistindo. Ela veio com um músico apenas. O Rubinho Farias. Bom, ela não precisa de mais nada. O sujeito é um demônio tocando baixo e piano. E o que eu vi na quinta-feira foi o melhor momento da minha amiga Lu Vitti até hoje. Simplesmente pq dessa vez ela não é mais apenas a ótima cantora que sempre foi. Tem uma pá de ótimas cantoras por aí. Tenho a sorte de ser amigo de várias. É que na quinta-feira eu percebi que a Lu encontrou a sua voz. Estranho falar isso, né? Uma cantora encontrando sua voz. Mas é exatamente isso. O que ela mostrou no nosso bar na quinta-feira foram versões personalíssimas de clássicos já desgastados e abusados por trocentas versões desalmadas que já ouvi por aí desde “Na baixa do Sapateiro” até “Georgia on my mind”. A Lu e o Rubinho desconstruíram as músicas e gestaram uns aliens que não tinham muita noção em qual planeta tinham acabado de cair. Foi um puta show. Daqueles que vc assiste e diz: “Aí sim, porra!” Um jeito de se sentir privilegiado por estar ali. Naquela noite, naquele momento. Algumas noites permanecem. E nem é preciso ir muito longe de casa.“

Mário Bortolotto 2016

Veja e siga

www.facebook.com/luvittioficial

www.instagram.com/cantoraluvitti

http://www.luvitti.com/

Serviço

LU VITTI 
Dia 10/09/2017, domingo, às 18h.
Teatro (392 pessoas)

Duração: 1h30
Não recomendado para menores de 12 anos.

Ingressos à venda pelo Portal Sesc SP (www.sescsp.org.br), a partir de 29/08/2017, às 15h30, e nas unidades, a partir de 30/08/2017, às 17h30:

R$ 20,00 (inteira); R$ 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante); R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700

www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento
Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h:
R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).

    Author: Brasil Cultura

    Share This Post On

    Enviar um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *