STF libera proselitismo em programação de rádio comunitária

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta 4ª feira (16.mai.2018) considerar inconstitucional a proibição do proselitismo na programação de rádios comunitárias do país. Foram 7 votos a 2.

 

Proselitismo é o empenho em tentar converter uma ou várias pessoas em prol de determinada causa, doutrina, ideologia ou religião.

 

A proibição estava prevista na lei 9.612/1998, norma que criou o Serviço de Radiodifusão Comunitária. O artigo 4º proíbe o proselitismo de qualquer natureza na programação em emissoras desse tipo.

 

O texto foi questionado na Corte pelo extinto PL (Partido Liberal), que entrou com ação de inconstitucionalidade em 2001. Um ano depois, o STF rejeitou a liminar, e o mérito foi julgado somente nesta 4ª, 15 anos depois.

 

Relator da ação, o ministro Alexandre de Moraes entendeu que a proibição de proselitismo deveria ser mantida para evitar o uso das rádios comunitárias para propagação de discursos de grupos políticos e religiosos.

 

“Aqui o que nós temos, é a utilização de concessões estatais com finalidade específica, a prevalecer a divergência, o proselitismo religioso”, disse.

 

Em seguida, Edson Fachin abriu a divergência e entendeu que não há como restringir o discurso proselitista. Para o ministro, o uso de discurso persuasivo e de argumentos críticos pressupõe a livre troca de ideias e não somente a divulgação de informações.

 

“No que toca à liberdade de expressão religiosa, cumpre reconhecer que o discurso proselitista é da essência do seu integral exercício, de tal modo a finalidade de alcançar o outro mediante a persuasão”, argumentou.

 

O ministro Luís Roberto Barroso também votou pela inconstitucionalidade da proibição, por entender que não que não deve ocorrer censura prévia a qualquer meio de comunicação.

 

“Eu penso que no mundo das redes sociais, no mundo da TV aberta, no mundo em que cada 1 pode se encontrar em seu nicho de identificação ideológica, o risco de proselitismo é muito pequeno”, argumentou.

 

Rosa Weber, Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e a presidente, Cármen Lúcia, acompanharam a maioria.

 

O voto do relator, Alexandre de Moraes, foi acompanhado pelo ministro Luiz Fux. Dias Toffoli não participou do julgamento em função de viagem oficial ao exterior.

 

(com informações da Agência Brasil)

Author: Claudio Ribeiro

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + oito =